Confira PALESTRA: "O PODER DA ORAÇÃO SOBRE AS DOENÇAS".

Quem somos nós?

Autor: Psicóloga Celeste Nobre
Data: 27/05/2016 - 15:06:00
Ajude-nos a compartilhar conteúdo de qualidade!

Carl Jung nos seus estudos em “Tipos Psicológicos” ele já fala da individualidade humana que vem sendo desprezada desde à religiosidade, com suas visões deturpadas da realidade até quase à sua morte, devido aos conceitos de valores e verdades que a sociedade prega e impõem aos seres humanos e, que não se encaixa às pessoas porque somente as aprisionam, tirando o essencial e natural do homem.

Olhando pela filogenia, desde o homem das cavernas até o homo sapiens, em que já há a formação de tribos, sociedade, cidades etc a religião vem ser algo contemporâneo e já questionado pelo próprio ser humano, haja vista com as variações e ramificações das religiões maiores.

Nos dias atuais os “novos cristãos” já possuem visões diferentes que vem evidenciar a religião de cada um e não mais aquela visão padronizada de Deus, de mundo e de homem, já começam a olhar mais para dentro de si e diferenciar suas verdades em Deus como sendo a natureza interior de cada indivíduo e a natureza exterior (criacionismo). É a liberdade sendo ampliada e conquistada. Jung , a mais ou menos 80 anos atrás, já dizia que o ser humano tem lutas constantes com as verdades coletivas do mundo que dizem o que devemos fazer, nos comportar, a quem amar, a quem dar dízimos e outras coisas, com a verdade individual que precisa ser respeitada e valorizada.

A fé deve ser professada de acordo com a visão de Deus que o indivíduo tem, acreditando numa força superior ou de estarmos aqui por algum motivo que não sabemos, o importante é não sermos mecânicos de somente acreditar no que o outro diz por se tornar mais fácil e não assumirmos responsabilidades diante de nossas crenças individuais com as outras. O respeito ao outro, à sua crença muitas vezes verdades são exclusas por se acharem superiores ao outro e assim não poder simpatizar com os ensinamentos da outra religião, filosofia, modo de vida etc. Religiões antigas, cultura de outros povos tem suas verdades, que pode ser difícil de aceitar, mas o desenvolvimento individual não deve parar quando se acha que já está no caminho certo, no caminho divino, devemos ficar frente a frente ( face to face) com nossas crenças e as que nos foram colocadas.

A pergunta feita no título, dessa matéria, devemos fazer muitas vezes durante nossa vida por que o ser humano é extraordinário em sua consciência, em sua evolução e todo o potencial que temos em transformar o mundo também somos transformados por ele, para o bem ou para o mal depende de nós como sentimos, percebemos, tocamos, compreendemos porque tudo isso e muito mais nos leva à condição de seres humanos.

Devemos compreender que em cada um de nós habita a fé, a crença, a religião, verdades e tudo de bom que nos foi concedido com as vivências de um mundo que tão pouco entendemos porque não nos olhamos com mais carinho, compreensão e tolerância. Precisamos saber que este mundo que habitamos é pura energia física e astral, assim a sensibilidade vem ser característica humana que vem da habilidade da consciência que pode ser de grau maior para uns do que para outros depende da percepção obtida.

C’est La vie!

Nosso site no seu idioma


Nossa página no Face




Depoimentos


Depoimento de um cliente

O tratamento psicológico garantiu uma confiança muito maior, possibilitando realizar meus objetivos na vida com maior clareza e saúde mental.

Contato

O contato com profissionais qualificados para tratamento, é o primeiro passo para se tornar um ser humano melhor.



* Os links, referências e material, apresentados no site PsicólogaCeleste.com.br são de caráter informativo, não substitui a psicoterapia oferecida por um psicólogo!
Maria Celeste Nobre - CRP. 06/12291-2
Agendamento | Atendimento | Falando sobre Jung | Artigos | Vídeos | Notícias | Eventos | Tratamentos | Biografia | Contato

[email protected]
Tucuruvi :: São Paulo - SP
Tel. (11) 2994-1917 (Fixo)
Tel. (11) 9.6517-2020 (Celular)
* Atendimento somente com hora marcada.